segunda-feira, 29 de março de 2010

Raça Física, Espiritual e Julius Evola

Um dos escritores Racistas mais provocativos e, intencionalmente, provocadores fala sobre a realidade de que Raça só existe espiritualmente se existir, primeiramente, fisicamente. O que é algo tão óbvio que não deveria nem falar-se sobre, mas, ao mesmo tempo, graças à Evola Fashion, trata-se de um assunto crucialmente necessário.

Nota: Provavelmente ninguém, além do próprio Constantin, concorda com todas as suas extremamente controversas posições e opiniões sobre o mundo, então não tente nos culpar por associação.

Racial Bolchevismo
Por Constantin von Hoffmeister

Julius Evola não é um modelo para pessoas sérias quando trata-se de preservar a Raça Branca. Se deseja-se salvar a Raça Branca, é necessário adotar um ponto de vista sólido e materialista. Apenas através da aplicação de princípios materialistas a Raça pode ser salva. Materialismo dita que a espiritualidade vem da matéria. Ambas as noções de Evola e Francis Parker Yockey de “raça espiritual” são uma contradição em si próprias, já que raça é uma questão de matéria, e não de espírito. Uma raça pode possuir um nível mais alto ou mais baixo de espiritualidade, mas isso não muda sua composição física. Espiritualidade é um resultado direto da atividade do cérebro, que, por sua vez, é parte de um organismo que varia de acordo com a raça da qual pertence. Que bem faz se vários não-Brancos possuem “qualidades Arianas” (seja lá o que isso significa), mas são incapazes de repassá-las sem poluir o sangue europeu? A noção de “raça espiritual” é abstrata e sem significado, senão for simplesmente hostil aos esforços de preservação européia. Assim sendo, Dr. HT Hansen (que escreveu a introdução de Homem Entre Ruínas, de Julius Evola) está certo quando diz que Evola promove um certo tipo de anti-racismo através de suas peculiares teorias “raciais”. Na verdade, Evola não aparenta ser interessado em qualquer teoria racista em si, mas apenas em formular desnecessários e ofuscantes conceitos de aristocracia que utilizam raça como pretexto, mas na verdade está mais preocupado com questões essencialmente universalistas de hierarquia. Evola é um humanista universal porque suas teorias postulam que uma “raça espiritual” esteja aberta a todos os membros da “humanidade”. Não devemos esquecer que essa suposta comunidade global já foi descreditada (devido à sua não-existência) por pensadores racistas sérios.

O Nacional-Bolchevique (ou talvez Racial Bolchevique seja mais acurado) Kai Murros diz (NdT.: Nós não temos nenhum conhecimento de Kai Murros se identificar como NB) diz, “Deve-se entender a nação como um produto das forças materiais da história – isto é, a coluna fundamental do nacionalismo progressivo e socialismo progressivo”. Murros está certo quando diz que “nacionalismo progressivo” (ou racismo) deve ser estritamente materialista em sua visão. Apenas desta maneira qualquer tipo de sucesso histórico pode ser realizado. Depois de tudo, deve-se lembrar que a própria História é regida por um fluxo constante de materialismo dialético. Murros também diz que “por razões práticas, metafísica deve sempre ser subordinada à física”. Vulgarmente dizendo, masturbação mental deve ser secundário a sexo de verdade. Podem teorizar o quanto quiserem sobre a importância da “espiritualidade racial”, mas se uma raça não procriar, então esta raça está condenada a morrer. Nesse momento, foder é mais importante do que pensar. O luxo da metafísica só pode ser dado em uma sociedade feliz com si própria e assegurada de sua própria existência.

A Natureza não possui vontade. Homem possui vontade. O Homem Ariano possui a vontade Faustiana. Paganismo é uma rua sem saída. Ser é a chave, não acreditar e/ou cultuar. Os deuses morrem quando a raça (que os criou) morre. Os deuses não são eternos. Paganismo é uma manifestação temporária do temperamento da Raça em uma determinada época. A Raça criou o Paganismo. Ele não existia antes e já está morto enquanto a Raça ainda vive. A Raça pode viver sem atribuir suas qualidades a forças além de sua existência. O consolo da Raça hoje é ciência, e não religião. Foguetes nos levarão a um lugar aonde os deuses um dia moraram. Os deuses serão substituídos por nós. Thor está morto, vida longa ao Astronauta! Enquanto um dia Thor emitia raios DOS céus, nós emitiremos raios PARA os céus.


Conclusão da A.W.I.: Pessoas sempre vencerão fantasmas, prédios sempre serão mais reais do que castelos feitos de sonhos, AK-47 sempre causarão mais danos do que a imaginação de uma criança /um racialista moderno. Estamos nessa Luta para vencer, não para realizar ambições ou ilusões pessoais de aparentarmos ser intelectuais, gurus ou monges.

Salve a Raça Branca!

2 comentários:

  1. perfeito!

    fodasse o paganismo!

    fodasse esses "deuses" falicos, odin, thor e o resto.

    ResponderExcluir
  2. Sem religião não existe moral, sem moral não existe família e sem família não existe civilização. Materialismo significa que a vida humana não faz sentido, é justamente o materialismo que tem destruído a raça branca fazendo as pessoas serem hedonistas, não terem filhos, não se importarem com o futuro. Esse tipo de nacionalismo branco materialista só vai colocar o último prego no caixão da raça branca. O próprio Hitler jamais o aprovaria.

    ResponderExcluir