sexta-feira, 19 de março de 2010

Nacional-Socialismo: Um Movimento de Esquerda?

Apesar da A.W.I. preferir o termo 'Racista', além de qualquer definição política de direita, esquerda, ou a bagunça de Nova-Direita, Nova-Esquerda e Terceira Posição (usada pelos mesmos indivíduos), esse trabalho em questão é interessantíssimo, corajoso & original - e já merecia ter tido uma tradução para o português.

Vale relembrar que pouquíssimos dos indivíduos, grupos ou partidos que tomaram o “lado racial” da vida e que realmente conhecem a questão racial ou NS consideraram-se “de direita”. Esse termo, quando referido a nós, tomou forma em ataques dos Vermelhos, que não possuem o menor conhecimento sobre a questão, ou da judimídia. E, infelizmente, graças a alguns músicos de R.A.C. que estavam mais interessados em uma estética e posição “do-contra”, ao invés de política racial em si.


Sem mais:


Nacional-Socialismo: Um Movimento de Esquerda
(1984)

Povl Heinrich Riis-Knudsen

Tradução: A White International

Por muito tempo, tem sido enormemente aceito que Nacional-Socialistas são direitistas extremistas, e poucas vezes hesitamos a nos referirmos desta maneira. Até um certo ponto, foi a política oficial da World Union of National Socialists evitar o termo "direita", declarando que Nacional-Socialismo não se encaixa nos padrões de "esquerda" e "direita", mas, ao invés, deveria ser considerado acima dessas distinções. Isso foi, com certeza, um passo na direção correta, mas, nesse momento, dentro o contexto da luta atual talvez seja uma boa idéia reconsiderar toda a questão da posição política e esclarecer alguns pontos sobre os termos "direita" e "esquerda" e suas aplicações no cenário político de hoje.

Historicamente, as palavras "direita" e "esquerda", em referência às visões políticas originaram-se na França pré-revolucionária, onde os que queriam preservar o sistema de governo, mais ou menos como ele era, sentavam-se a Direita da Assembléia Nacional, enquanto os que desejavam mudanças mais radicais, sentavam-se à Esquerda. Desde então, o termo "direita" para os reacionários e "esquerda" para os revolucionários - termos que desde lá se tornaram universalmente conhecidos e utilizados. No entanto, nem as palavras "reacionário" ou "revolucionário" dizem qualquer coisa universal sobre uma visão em particular. Ambos os termos são relativos e recebem seu significado específico dentro de um determinado contexto histórico. Os revolucionários do passado, por exemplo, Os Liberais Nacionais Europeus, do século 18, não aparentam ser revolucionários hoje - exatamente o contrário! - assim como os reacionários de hoje eram considerados muito revolucionários 200 anos atrás. Quando os Comunistas subiram ao poder em Rússia em 1917, eles o fizeram como revolucionários derrubando um governo corrupto e ineficiente, enquanto hoje (NdT.: 1984) eles são o sistema reacionário de frente a um novo desafio revolucionário.

Hoje em dia, a esquerda tradicional é predominantemente Marxista - até mesmo ao ponto que o próprio termo "esquerda" é visto como um sinônimo à palavra "Marxista". Isso, é claro, não possui base alguma na realidade. Qualquer revolucionário é um esquerdista - o que acontece é que os Marxistas tiveram tão pouca competição que eles conseguiram de apropriar do termo.


Do outro lado do cenário político, nós temos a direita, consistindo de reacionários que querem conservar a sociedade atual e a, assim dita, Civilização Cristã do Ocidente, com seu materialismo e capitalismo. Os direitistas manifestam-se pelos valores patrióticos tradicionais: eles são bons cristãos e bons cidadãos que defendem a Constituição e são leais ao seu país e seu monarca, se tiverem um. Eles estão dispostos a ir à guerra contra outro país para defender a grandeza de seu próprio - mesmo que isso signifique guerra nuclear contra outro país Branco, se eles acham que seu sistema de governo ameaça sua ordem interna, independentemente do quão corrupto e degenerado este seja. Eles são pró uma economia fundada em livre e irrestrito Capitalismo, independente das conseqüências, mas eles desaprovam a tendência política liberal, assim como imigração e integração racial, porque eles temem que qualquer mudança possa mudar a ordem da qual estão acostumados. (NdT: Hoje em dia, a direita política nem ao menos opõe-se à integração racial. A palavra 'raça' simplesmente não existe em seu vocabulário).

O lugar em que os Nacional-Socialistas encontram-se nesse cenário parece bem claro: Nós somos esquerdistas - sem dúvida sobre isso! Nós não queremos preservar o sistema atual ou parte alguma deste. Nós não acreditamos que as fundações de um sistema que tem levado nosso povo a presente desgraça. Nós não queremos apoiar nenhuma instituição responsável por duas guerras mundiais entre nações Brancas, assim como incontáveis guerras menores; rearmamento nuclear; a poluição do ambiente; desemprego; total desilusão da juventude, que perderam toda sua fé no futuro; abuso de drogas; pornografia; e todas as formas de degeneração total que são evidentes hoje.

Nós, Nacional-Socialistas, queremos a mudança mais radical de todas: Nós queremos a destruição completa da Velha Ordem!

Enquanto o Marxismo compartilha uma ideologia basicamente igualitária com a Velha Ordem e se define como um movimento materialista concentrando-se à mera redistribuição de bens materiais. Nacional-Socialismo procura construir uma Nova Ordem inteira, baseada em idealismo e profundo respeito pelas Leis da Natureza, em todos os aspectos da vida. Essa é, com certeza, a idéia mais revolucionária deste século - e, desta maneira, muito de esquerda! - e ela certamente não é Marxista! Comparado ao Nacional-Socialismo, Marxismo não é nada além de uma idéia pseudo-revolucionária, inventada pelo Cristianismo e sustentada pela Democracia Liberal: Se todas as pessoas são criadas igualmente, por que toda a riqueza do mundo não é distribuída igualmente entre todas as pessoas? Visto desta maneira, Marxismo é simplesmente parte da Velha Ordem que queremos destruir.

Se Nacional-Socialismo é, em sua essência, um movimento de esquerda, então é claramente paradoxal que Nacional-Socialistas tenham gasto tanto tempo cultivando atitudes tradicionalmente direitistas, enquanto eles fecharam todas as aberturas para a esquerda. É alguma surpresa que todas as tentativas de criar um movimento Nacional-Socialista nessa base tenham sido um total fracasso? (NdT.: Felizmente, pelo que podemos ver com o crescimento de grupos 'Nacionalistas/Racistas Autônomos' e o crescimento no interesse do NS Strasserita pré-1934, as coisas mudaram).

A primeira pré-condição para criar qualquer coisa nesse mundo é se ter uma clara idéia do que quer-se atingir e como é possível atingi-lo. Um escultor que quer criar uma obra de arte começa com um conceito em sua mente, e então o realize com seu material escolhido. Ele não fica martelando em um pedaço de mármore, imaginado qual será o resultado final.

Assim sendo, é crucial perceber-se que Nacional-Socialismo não é apenas uma forma de direitismo extremo. Qualquer um, entre nós, que ainda possui essas noções, deveria devotar-se a estudar a idéia de Nacional-Socialismo para descobrir seu verdadeiro significado - ou, se ele não possui a energia ou habilidade de o fazê-lo, que encontre outro recinto para suas atividades. O Movimento não tem lugar para frustrados ou sonhadores religiosos, mas apenas para devotos Revolucionários Nacional-Socialistas!


Leia NS: A Left-Wing Movement completo

Nenhum comentário:

Postar um comentário